Elogio ao “Basismo”

Posted on 03/09/2015

0



(por: Caralâmpio*)

Basista é a condição atribuída pelos vanguardistas a todo aquele que, por convicção e princípio, nega as instâncias decisórias burocráticas. A todo aquele que, por entender a necessidade de incluir a maior parte possível das pessoas nas tomadas de decisão assume o risco de ver as suas preferências ou inclinações ideológicas colocadas em segundo plano. Em suma o basista é, na mão inversa dos parâmetros de seus detratores, aquele que coloca em dúvida as certezas urdidas dentro das seitas e partidos. Aquele que entende e concorda com os resultados dos fóruns democráticos, ainda que estes não atendam às suas expectativas.

O basisata sabe, por experiência e sensibilidade, que a realidade não existe para prestar homenagem às suas preferências. Aprendeu, escutando o coletivo mais amplo, que as transformações não se dão na medida da suas ansiedades ou projetos ideológicos. Observando os processos sociais encontrou motivos para colaborar, mais que influenciar, e ponderar, mais que determinar. Ainda que tenha preferências ideológicas e oriente sua prática militante por elas, está no movimento “com as suas preferências” e não “a partir” delas. Não dissimula concordar com a maioria na perspectiva de um “recuo estratégico”, mas por entender que da prática social virão ensinamentos preciosos que só podem ser apreendidos na dinâmica do coletivo.

Vale ainda lembrar que para Proudon a categoria povo se sobrepunha à de proletariado, para ele a democracia era mesmo uma realização coletiva, tanto mais ampla, quanto inclusiva e tanto mais inclusiva, quanto mais ampla. Um processo constante e dialético, interminável e permanente, não apenas nas suas contradições como nas suas possibilidades e resultados. Ou seja, o “sistema” proudhoniano era, antes de tudo, uma teoria antivanguarda.

proudhon_bnAinda que não seja possível atribuir a Proudhon a condição de basista, ainda assim, há que se reconhecer que, da teoria autonomista, para a qual muito contribuiu o seu pensamento, veio o nexo que permite afirmar a soberania da classe produtora sobre os demais segmentos sociais. Nesse sentido a dimensão do basismo vai muito além de atender aos caprichos do “monstro cego” das multidões. A prática é antes de tudo a instituição de um método e de uma cultura política de real participação coletiva.

(*Caralâmpio é militante da OP)

Anúncios