Lançado o jornal Transversus nº 22

Posted on 27/12/2014

0



Foi lançada a vigésima segunda edição do periódico Transversus. Isso não é pouco para uma publicação independente, sem conluio com nenhuma instituição do Estado ou empresarial. Aqui se trata de cultura sem as amarras impostas pela indústria do entretenimento; aborda-se esporte sem submissão às FIFAs, COIs e outros mecanismos exploratórios; põe-se luz sobre o que a imprensa burguesa não valoriza.

A matéria de primeira página deste número – escrita pelo incentivador cultural Sandoval Brandão – traz à baila a agressão racista sofrida pelo goleiro santista Aranha, perpetrada por torcedores do Grêmio, que o chamaram de “macaco”. Por que a ausência de manifestação das “celebridades” Neymar, Luciano Huck e Ivete Sangalo a respeito (diferente do que ocorreu no caso do racismo contra Daniel Alves)? Será por o lateral do Barcelona ser jogador da Seleção da Copa de 2014 e ter muito mais visibilidade que o goleiro santista? Ora, por que esses “famosos” nunca se solidarizam com as vítimas de racismo da polícia: a maioria pobre e favelada? Aí estão algumas questões suscitadas pelo artigo, que também relembra o fato de o goleiro ter sido vítima de preconceito quando foi detido e autuado numa Delegacia Policial de Campinas em 2005, após deixar um amigo no hospital. Na época, os agentes da repressão alegaram que o confundiram com um sequestrador…

20141227_143353

Ainda sobre futebol, há artigos sobre os jogadores Dionísio, Oldair Barchi e Mário Jorge Lobo Zagallo (posteriormente técnico de renome).

W.B., militante da tendência político-social Organização Popular, contribui com o jornal escrevendo acerca do militante anarquista Edgard Leuenroth, abordando: sua atuação na grande greve geral de junho de 1917 em São Paulo; a participação nos três congressos operários brasileiros (1903, 1913 e 1920); o envolvimento com os jornais “A Terra Livre”, “A Folha do Povo”, “A Lanterna”, “Ação Direta”, entre outros.

No campo da música popular é abordada muita gente boa: Miltinho (Milton Santos de Almeida), Ataulfo Alves, Pixinguinha, Lupiscínio Rodrigues, Cybelle (do profícuo Quarteto em Cy, falecida em 21 de agosto de 2014), Toquinho…

Pedro Paulo Pereira encanta ao escrever sobre o filme Bar Esperança (1982), que conta com direção e atuação de Hugo Carvana, além de outras feras no elenco, como: Marília Pêra, Louise Cardoso e Paulo César Pereio. Tal obra, segundo o crítico, dá de dez a zero em quase todos dos filmes nacionais exibidos hoje.

São homenageadas personalidades recentemente falecidas como: o militante socialista Dirceu Travesso, o filósofo comunista Leandro Konder e o sindicalista Manoel Crispin.

Chaves e Chapolim

Alex Brasil, militante do Movimento de Oposição Serventuária (de trabalhadores do Tribunal de Justiça-RJ), escreve sobre o fenômeno do seriado Chaves que, com seu baixo orçamento e abordando um cotidiano simples e sem glamur, encanta multidões pela América Latina. Não seria uma resistência, no inconsciente coletivo, aos valores de uma sociedade globalizada, impessoal, “clean”, dos fortes e belos?

Sartre e Beauvoir

Orlando Oliveira escreve sobre o casal Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir; sobre Karl Marx e suas relações familiares e amorosas, e também acerca dos 40 anos da morte do valoroso Frei Tito de Alencar, importante resistência à ditadura militar brasileira instituída em 1º de abril de 1964.

As Mulheres de Marx

Para pensar criticamente a realidade a nossa volta e dispor de temáticas culturais realmente livres, o jornal Transversus continua aí cumprindo seu papel. Para contatar, escreva a : transversus.cs@gmail.com.

40 anos da morte de Frei Tito

Anúncios
Posted in: arte, cultural