Debate na terça-feira 12 de agosto no Centro da cidade do Rio

Posted on 10/08/2014

0



O grupo de Base Inimigos do Rei (composto por pessoas da classe petroleira, entre elas militantes da Organização Popular – OP), atuando na secretaria de política e formação sindical do Sindicato dos Petroleiros do Rio, irá realizar um debate sobre a vida do frei Tito de Alencar Lima, tendo como principal fio condutor o livro Um homem torturado – Nos passos de frei Tito de Alencar, escrito por Leneide Duarte-Plon e Clarisse Meireles (ela trabalhou alguns anos na Petrobras recentemente).

10525767_10204270050101978_3259225394181146396_n

Há 40 anos, o cearense frei Tito se enforcou na França, traumatizado pelas torturas físicas e psicológicas que sofreu enquanto esteve preso em São Paulo, na sucursal do inferno da equipe do delegado Sérgio Paranhos Fleury. O suicídio tem a ver com uma frase que Tito deixou escrita na sua Bíblia: “É melhor morrer do que perder a vida”. O frei participou da luta contra a ditadura empresarial-militar imposta com o golpe de 1964, no contexto de uma luta mais ampla, da qual já participava, por uma sociedade livre, igualitária e fraterna. Por meio da sua história, podemos conhecer e refletir melhor sobre diversos temas, como a ditadura de 64, a situação dos trabalhadores nesse período, a participação da Igreja católica tanto no apoio à ditadura quanto na luta contra ela, a participação das empresas, inclusive a Petrobras, na ditadura… E, sobretudo, a ética. Uma frase logo no início do livro mostra bem a importância dessa reflexão: “A tortura só pode existir graças ao silêncio”. Algo, infelizmente, muito atual, inclusive na Petrobras.

O sindicato vai organizar um esquema de creche pras mães e pais que quiserem ir com seus filhos pequenos.O debate sobre a vida do frei Tito vai ser na terça 12 de agosto, das 18h às 20h30, no Sindicato dos Petroleiros do Rio, que fica na Avenida Passos, 34 – Centro (entre a Praça Tiradentes e a Avenida Presidente Vargas). A presença de cada um é importantíssima. Na foto, está escrito “A Igreja não pode omitir-se”. Também é um erro os trabalhadores se omitirem. A omissão é um terreno fértil pra opressão.

10553542_10204276524583836_8781455120261356268_n

Anúncios