Nota sobre o ato de 10/02 contra o aumento da passagem de ônibus

Posted on 11/02/2014

1



Organização Popular

Hoje, dia 10 de fevereiro, ocorreu mais um ato contra o aumento das passagens de ônibus, organizado pelo Movimento Passe Livre da cidade do Rio de Janeiro. Após conseguir congelar a tarifa dos trens, barcas e metrô, após os catracaços feitos na Central do Brasil, o povo do Rio de Janeiro foca sua luta nos ônibus.

No ato do dia 6 de fevereiro, após forte repressão da PM, que tacou bombas pra todo lado, inclusive dentro da Central do Brasil, onde havia muitas trabalhadoras e trabalhadores e até crianças, ocorreram duas mortes: o cinegrafista da TV Bandeirantes, atingido por um rojão, e um trabalhador, atropelado por um ônibus, enquanto fugia das bombas da PM. Ambas as mortes foram frutos da criminosa atuação da PM e da política de transportes do Governo do Rio de Janeiro, que insiste em manter o aumento da tarifa para R$3,00, contrariando técnicos do Tribunal de Contas do Município, que recomendaram a diminuição da tarifa para R$2,50, acusando lucros indevidos.

A concentração do ato de hoje foi feita próximo ao local onde as duas vítimas foram mortas e dezenas de outros manifestantes foram brutalmente reprimidos: perto da Central. Ali, o MPL-RIO leu sua nota de repúdio à violência da PM e à tentativa de criminalização dos movimentos sociais e dos manifestantes que estão na rua, incluindo solidariedade às vítimas do último ato (http://mplrio.wordpress.com/2014/02/09/nota-de-repudio-a-violencia-da-pmerj-contra-trabalhadores-e-manifestantes-no-dia-06022014-e-a-tentativa-de-criminalizacao-dos-movimentos-sociais/). Em seguida, convocou todos e todas a seguirem em direção à FETRANSPOR, fechando ambas as vias da Av. Presidente Vargas, sentido Zona Sul. O ato ocorreu com tranquilidade, excetuando excessos por parte dos PMs e da Tropa de Choque, que estavam em quantidade desproporcional, em relação aos últimos atos, enquanto revistavam os manifestantes, havendo alguns focos de confusão e detidos prontamente liberados.

Da FETRANSPOR, o ato seguiu até a Cinelândia, sendo no caminho realizada a queima da catraca para euforia dos manifestantes presentes, simbolizando a vida que queremos: uma vida livre de catracas, para que possamos nos movimentar e ter acesso real à educação, lazer, hospitais etc. A Organização Popular esteve presente no ato, somando na luta contra o aumento das passagens de ônibus, e ajuda na construção do MPL-Rio, um movimento social que pauta a tarifa zero e a mobilidade urbana da cidade do Rio de Janeiro. Prestamos nossa solidariedade à família das duas vítimas do ato do dia 6 de fevereiro.

Ir ás ruas contra o aumento! Por uma vida sem catracas!

Lutar, Criar Poder Popular!

Anúncios